20 junho, 2006

É Correto Ser Amigo de Uma Banda e Fazer Uma Crítica Sobre Ela Em Um Grande Veículo de Imprensa?

Quando Uma Amizade Pode Interferir Num Trabalho
por Juliano Costa

Ontem passei o filme "Quase Famosos" para alguns alunos, mas o filme deixa uma polêmica no ar, em relação a Willian Miller, o garoto-jornalista que é chamado para escrever para a revista Rolling Stone sobre uma banda de rock nos idos de 70. No começo, é tudo alegria para o garoto. Mas o convívio com seus ídolos, até então inatingíveis, fascina-o de uma tal maneira que seu trabalho, o motivo original da viagem, acaba passando a um segundo plano, ofuscado pela crescente amizade gerada por essa convivência.

E eis que, tanto o editor de Miller, já suspeitando da intimidade do jornalista-mirim com a banda, e os próprios músicos, céticos em relação à maneira como serão retratados na revista, perdem a credibilidade pelo trabalho do garoto.

Isso acaba levantando uma questão: quando se é amigo dos integrantes de uma banda, é possível que um jornalista faça uma crítica ou uma resenha imparcial e honesta sobre essa banda, sem que a amizade exerça algum tipo de interferência no texto?

O diretor Cameron Crowe, com seu filme praticamente autobiográfico (William Miller, o garoto, seria ele próprio, que também começou sua carreira como crítico musical) deixa claro que dificilmente se pode fazer uma crítica honesta e impiedosa, como aconselhava seu guru, o lendário Lester Bangs. Miller, maravilhado com o mundo-roque, é apenas honesto em seu texto, mas nada impiedoso. Pelo contrário: a amizade com os integrantes da banda amolece seu coração, e o impede de julgar o trabalho da banda com uma cabeça de crítico.

Sobre esse assunto, alguns dos principais jornalistas que escrevem sobre música no Brasil foram entrevistados por Juliano Costa para o site: http://www.screamyell.com.br/musica/ehpossivel.html. Leia suas opiniões:

Lúcio Ribeiro, repórter de música e cinema do caderno Ilustrada da Folha de São Paulo e da seção Pensata, do site Folha On Line (www.uol.com.br/folha/pensata) acredita que o jornalista profissional precisa ter discernimento sobre o assunto: não há problemas em escrever sobre uma banda de amigos desde que o jornalista acredite mesmo que o tal grupo mereça esse espaço. Lúcio diz que nunca se deparou com o problema, pois suas críticas são, na maioria, sobre bandas estrangeiras. Colega de Lúcio na Ilustrada, Marcelo Valletta pensa de forma diferente. Acho incorreto fazer matérias com amigos. Se você for designado para a tarefa, convém explicar a situação ao seu superior e pedir que ele indique outra pessoa, declara o jornalista. Mas caso você seja mesmo obrigado a escrever a tal resenha, deve utilizar o rigor crítico de costume, completa Valletta. Se a amizade vai interferir no texto, isso vai depender da pessoa. É preciso frieza e profissionalismo nessa hora, conclui o jornalista, que confessa nunca ter passado por uma situação parecida com essa.

Opinião semelhante tem José Flávio Júnior, editor-adjunto da revista Bizz. Não é correto para um crítico musical ser amigo de banda, mas é inevitável ser colega e ter conhecidos, que acabam virando até fontes, diz José Flávio, que acredita que usar os colegas músicos como fonte é um outro problema ético do jornalista. Eu não queria dizer essa obviedade, mas tudo depende. Se o cara consegue discernir seu contato com o músico da resenha que vai fazer, ótimo, atesta José Flávio, que conclui: A resenha é do disco, não da amizade.

André Barcinski, um dos apresentadores do programa Garagem (www.garagem.net), da rádio Brasil 2000, de São Paulo, e editor do site El Foco.com, é ainda mais radical: É óbvio que não (é possível fazer um texto imparcial), pois jornalista que se preza não fica amigo de artista. Essa é a regra número um do jornalismo cultural, declarou o jornalista, que lamenta que, no Brasil, infelizmente é normal ver nome de jornalista na lista de agradecimentos de discos.

Barcinski acredita que o dever de entrevistar e ter contato mais direto com os artistas cabe ao jornalista, e não ao crítico. Nos EUA, pelo menos nos órgãos mais sérios, os críticos trabalham na redação. Eles não entrevistam artistas, estão lá apenas para resenhar obras, disse o jornalista. Já no Brasil, não há uma divisão clara entre jornalistas e críticos de música, concluiu Barcinski, que confessa ser amigo dos integrantes da banda Sepultura, mas que já os conhecia antes de começar a escrever sobre música.

Correspondente da Tv Globo e do jornal Folha de S. Paulo em San Francisco, EUA, o jornalista Álvaro Pereira Júnior também entende que seja errado escrever crítica sobre amigos. A não ser que você tenha uma liberdade tamanha de texto que lhe permita escrever algo do tipo ‘sou suspeito para falar desses caras, porque eles são meus amigos’”, contrapôs o jornalista, que assina uma coluna sobre música no suplemento FolhaTeen, da Folha de S. Paulo.

Álvaro alerta também para o fato de haver muitos jornalistas que prestam serviços a gravadoras. Tem muito crítico de música, principalmente no Rio (de Janeiro), que escreve release usando pseudônimo para gravadoras”, afirma o jornalista. “E depois ainda vai criticar discos dessa mesma gravadora!, exclamou Álvaro, que preferiu, por motivos éticos, não revelar o nome desses jornalistas.

Em uma coluna antiga no caderno Folhateen, Ondas Curtas, o jornalista (e agora diretor da editora Conrad) André Forastieri alertava:

Não é tão complicado assim trabalhar na imprensa musical. O que você ganha com isso? Não muito. Você entra em show sem pagar e ganha montes de CDs. Viaja a trabalho para entrevistar uns e outros. É convidado para festas de lançamentos de discos.

E, claro, conhece um monte de artistas. Às vezes, até fica amigo de um monte de artistas. Se isso acontecer, está na hora de pedir demissão e mudar de carreira. Ninguém tem coragem de falar mal dos amigos. Ou, invertendo, não tem carreira que valha a perda de um amigo de verdade.

O que você acha?

(Este texto foi retirado do site: http://www.screamyell.com.br/musica/ehpossivel.html , onde Juliano Costa assina um texto intitulado: "É Correto Ser Amigo de Uma Banda e Fazer Uma Crítica Sobre Ela Em Um Grande Veículo de Imprensa?", Subtítulo: "Quando Uma Amizade Pode Interferir Num Trabalho").
Postar um comentário