29 outubro, 2006

NIG Black Strings

Olá galera! Como havia prometido na conversa com o Igor, aí está uma materia falando das cordas "Black Strings" NIG. Essa matéria saiu na revista Cover Guitarra nº 121 - Janeiro de 2005 - assinada por Alexandre Bastos, colaborador da revista. A matéria na íntegra fala também do encordoamento de guitarra 7 cordas, por isso vou resumi-la aqui. Bem lá vai!

"O mercado brasileiro vem a cada dia mostrando que pode produzir material de qualidade, como amplificadores, pedais, guitarras, baixos e cordas. No teste das cordas NIG Black Strings foi usada uma Ibanez RG 550 com o braço em Maple. Confesso que por causa de seu acabamento, a corda recebe uma pintura negra após estar pronta, e por essa razão, fiquei um pouco preocupado com o timbre. Mas minha preocupação encerrou aí. Mesmo sendo pintadas, as cordas mantiveram um som bem equilibrado sem gerar aquele timbre metálico de cordas novas, como é bastante comum, gerando um timbre como de corda com uma semana de uso. A afinação foi bastante precisa, mesmo após o encordoamento ser castigado com alavancadas bem rigorosas, tanto para frente como para trás e também com vários bends. O fator que mais me agradou foi o visual. sem dúvida é muito divertido tocar com uma guitarra que tem as cordas todas pretas. Alguns alunos pensaram que se tratava de cordas importadas ou de outro material que não o níquel, sem contar que o fato de se ter uma corda revestida com uma pintura faz com que só o instrumentista perceba quando é o momento de trocar as cordas. Isso sem dúvida ajuda bastante o treinamento auditivo de cada um, principalmente para iniciantes. Não sei se foi esta a intenção da empresa, mas que é uma grande sacada, isso é, sem sombra de dúvidas. Apenas depois de alguns dias a pintura mostra um pouco de desgaste na região onde palheto, mas nada que comprometa a durabilidade da corda. Seu timbre se manteve o mesmo após 15 dias, não apresentando o desgaste natural do uso, mantendo o timbre fiel ao primeiro dia. Não encontrei nenhum ponto negativo, ainda mais considerando o fator diversão. As cordas estão disponíveis para os calibres .009 e .010".

Origem: Brasil
Preço sugerido: R$ 34,00
Informações: www.nigstrings.com.br
Equipamento utilizado: Ibanez RG 550 - JAPAN

23 outubro, 2006

Lançamentos na Expomusic 2006

Essa semana conversava com o Igor, um aluno meu, sobre cordas e tudo o mais, falávamos da importância da expessura, marca e até da cor, que na verdade é o material pelo qual ela é construída. Bem, na Guitar Player deste mês de Outubro - GP nº 126, veio falndo de alguns lançamentos interessantes, e vou citar apenas dois: da NIG e suas cordas e da SANTO ÂNGELO e seus cabos. Tenho certeza que não vai interessar apenas ao Igor.

NIG - www.nigstrings.com.br - A NIG lançou sua nova linha signature de cordas, que trazem características adaptadas por alguns dos melhores guitarristas brasileiros - todas especificadas nas embalagens. As opções são: JA10 (Juninho Afram), com estabilidade e flexibilidade para afinações baixas; EA20 (Eduardo Ardanuy), com mais peso nos bordões para a medida .009; RB30 (Rafael Bittencourt), equilíbrio para suas tradicionais cordas híbridas; SC40 (Sidney Carvalho), com dosagem entre cordas .009 e .010. Cada um dos jogos inclui uma corda E aguda extra e uma palheta assinada pelo respectivo guitarrista.

SANTO ANGELO - www.santoangelo.com.br - A Santo Angelo mostrou os cabos que levam a assinatura de duas feras brasileiras: Kiko Loureiro e Edu Ardanuy. Trata-se de uma edição limitada cujas principais características são harmônicos vivos, presença de agudos, mais dinâmica e maior velocidade na transmissão de sinal.

12 outubro, 2006

DVDs!!

Galera! Temos mais alguns (16) DVDs adquiridos esta semana para o nosso acervo. Veja a lista dos títulos:

- O Poder do Rock - Woodstock Parte 1 (1ª Noite)
- O Poder do Rock - Woodstock Parte 2 (2ª Noite)
- 25 Anos de Muito Louvor (Cassiane)
- Abundante Chuva (Fernandinho)
- Obrigado, Gente! (João Bosco)
- The Wall - O Filme (Pink Floyd)
- Live From Austin, Texas (Stevie Ray Vaughan & Double Trouble)
- Crush Tour (Bon Jovi)
- Live From Denver (G3)
- Live in Concert (G3)
- Acústico MTV (Gilberto Gil)
- Memórias, Crônicas e Declarações de Amor (Marisa Monte)
- Acústico MTV (Charlie Brown Jr.)
- Cosmotrom (Skank)
- MTV ao Vivo (Lulu Santos)
- Rush in Rio (Disc 1)

e 2 fitas de vídeo:

- A Revolução Está de Volta - Acústico (Katsbarnéa)
- Acústico... (Resgate)

09 outubro, 2006

Sobre as aulas!

Muita gente tem perguntado como são as aulas aqui. Coloquei um pouco do que rola nas aulas pra que você tenha noção. Valeu!

Aulas práticas de Violão, Guitarra e Baixo: Acordes, Técnicas, Escalas, Ritmos, com material fornecido pelo professor e aulas gravadas em fita ou CD-R(W). Não precisa trazer caderno;
Mini-biblioteca com revistas especializadas para consulta: Guitar Player, ON&OFF, Guitar Class, Cover Guitarra, Cover Baixo, Home Studio, etc;
Livros e Métodos: Harmonia e Improvisação (Vol I e II), Princípios Básicos da Música Para a Juventude (Vol I e II), A Arte da Improvisação, Noções Elementares de Guitarra, etc;
Acervo com mais de 100 fitas em VHS com:
Vídeo-aulas de Guitarra: Mozart Mello - Wesley Caesar - Faíska - Tomati - Kiko Loureiro - Pollaco - Nelson Jr. - Lupa Santiago - Eduardo Ardanuy, etc;
Vídeo-aulas de Contrabaixo: Arthur Maia - Jorge Pescara - Celso Pixinga - Abraham Laboriel - Jorge Oscar - Geraldo Vieira - Jaco Pastorius, etc;
Vídeo-aula de Canto: Liba Serra;
Vídeo-aula de Violão: Sílvio Santisteban;
Vídeo-aulas de Cavaquinho: Robson Miguel, Salgadinho;
Vídeo-aula de Bateria: Vera Figueiredo;
Vídeo-aulas de Teclado: Jamey Aebersold, Chuck Mahronik;
Vários Shows em VHS e em DVD: John Mc Laughlin - Jimmi Hendrix - Marcus Müller - Guns n' Roses, Van Hallen, Yngwie Malmsteen, Santana, Yamandu Costa, etc;
Documentários e Entrevistas: O Homem Que Matou John Lennon, A Influência da Música Brasileira no Jazz, A História do Punk, A História da Guitarra, Direitos Autorais na Era Digital, A Vida de Jimmi Hendrix, Eric Clapton, BB King, etc;
Filmes: The Temptations, The Doors, Jimmi Hendrix, Quase Famosos, A Fera do Rock (Jerry Lee Lewis), John Lennon, The Commitmmens (Loucos Pela Fama), La Bamba, Backbeat (Os 5 Rapazes de Liverpool), Escola de Rock, etc;
Noções sobre o uso de equipamentos: Multi-efeitos Zoom 3030, Bateria Eletrônica Dr5 - Boss, Mesa de Som - Mackie 1202 VLZ, etc;
Aulas de prática em conjunto trabalhando com arquivos MIDI;
Música no Computador: Gravação (Cool Edit Por 2.0), Notação Musical e Tablaturas (Power Tab Editor 1.7);
Não há a necessidade de trazer instrumentos: Instrumentos à disposição para os alunos: Guitarra, Violão com cordas de Nylon, Violão com cordas de Aço e Contrabaixo;
Venda de Material: Palhetas, Slides, Capodastro, Strap Lock, Cordas, Cabos, etc.

Vídeo aula de Baixo com Jadão!

Eis aí uma ótima notícia: Jadão, agora do Filhos do Homem, lança vídeo aula de baixo!

A série de vídeo aulas Filhos do Homem começa com um dos melhores baixistas do Brasil, Jader Junqueira, o Jadão. Jader já foi baixista de bandas como Katsbarnea, Renascer Praise e Soraya Moraes e hoje Jadão é baixista da banda Filhos do Homem.

Neste DVD você vai aprender técnicas de mão direita (pizzicato, slap e abafamento), escalas e vários outros exercícios.

Ferramentas interativas

Multi-Ângulo - neste DVD você escolhe a melhor camera para você aprender. São 4 opções de câmera (Padrão, Mão Direita, Mão Esquerda e Plano Americano). Basta acionar a tecla Angle do seu DVD para escolher entre as diversas opções de câmera.

Multi-Som - você também tem a opção de escolher qual audio você quer ouvir. As opções são Banda e Baixo, apenas o Baixo e a exclusiva opção play-back para você tocar junto com a banda. Basta acionar a tecla Audio e escolher a opção desejada.

Fonte: http://www.supergospel.com.br/news/noticia.php?news=773

15 agosto, 2006

Day Tripper

Olá galera! Feriadão! Eu tenho aproveitado para descansar. Já virei as páginas de algumas Guitars Players esta manhã, eu sempre faço isso, primeiro porque não li todas as revistas que tenho mesmo, depois que informações técnicas de guitarras e afins e aulas de guitarra, mesmo que pegue uma revista de 2002 vai me ser útil, pode ter certeza. Bem, comecei meu dia assistindo a uma entrevista do pessoal do Jota Quest na MTV, eles apresentaram seu clipe novo, que não me lembro o nome, mas é o primeiro clipe deles que não aparece ninguém da banda no clipe, achei isso muito legal. Eles também falaram sobre alguns vídeo-clipes que eles gostam e rolou um dos "Chilli Peppers" que parecia uma sátira aos programas tipo "Ídolos" da vida, no clipe cada hora entrava um para tocar com a banda, o Frustiante e um cara no baixo e uma mulher na batera, depois vinha o Flea e um outro na guita e outro no vocal, enfim... Nessas galeras que entravam, passavam alguns guitarristas que eram de "verdade", deu pra entender que os outros eram figurantes, não deu? Bem, com o pretexto de saber quem eram os guitarras "de verdade" que entraram no clipe eu comecei a olhar as Guitars Players, e aí já viu, né?
Bem, para que você não passe o feriado sem pegar no instrumento, eu achei uma frase numa dessas revistas que me chamou a atenção, a música "Day Tripper" dos Beatles. É que nas aulas de ontem, o Rafael Albuquerque, meu aluno, falou que achava curioso como podia você achar dificuldades em algumas técnicas e/ou músicas e depois com o passar do tempo, você se defronta com elas e se vê executando. Ele falava de algumas músicas do "Iron Maiden", mas ao achar 'Day Tripper" hoje numa Guitar Player de FEV/2002, eu vi a introdução e sua simplicidade (existe beleza na simplicidade) e me lembrei dos meus primórdios, quando fiz teste junto com o Marcos Prado para entrarmos na Banda Reluz, do meu amigo Maury. Cara, eu achava essa frase difícil! Que legal, é muito bom ver isso, que " ... a caravana passa... " e se não quizermos ficar como os cães na estrada, basta subirmos na caravana, porém nunca sem esforço, dedicação e ajuda de Deus.

12 agosto, 2006

EXPOMUSIC 2006

Olá! Estou alugando uma van, junto com os alunos, para irmos a maior feira de música da América Latina, a Expomusic, que neste ano será de 30 de agosto a 03 de Setembro em São Paulo. Estamos pensando em ir no dia 02/09 (sábado) e só temos 14 lugares. A princípio as vagas são para os alunos, mas ex-alunos e amigos são benvindos! O preço por cabeça na van é de R$50,00. A entrada lá custa R$10,00. As portas se abrem às 13:00 e só fecham às 21:00, quando pretendemos sair, he! he! he! Estou avisando aqui porque são poucos os lugares na van e darei preferência para os alunos. O preço da Van não está caro, a passagem para São Paulo de ônibus está por volta de R$45,00 só a ida, por isso esta é uma ótima oportunidade para conhecer a Feira. Bem, se tiver interessado, entre em contato!

Quanto aos alunos adolescentes(12 a 18 anos)! Essa semana eu conversei com a Drª Shirley, da Vara da Infância e Juventude, lá no Fórum, conversei com alguns advogados amigos meus, e pesquisei bastante na net para saber sobre a documentação necessária para que os adolescentes pudessem viajar para São Paulo. Vejam o que descobri:

O artigo 83 do Estatuto da Criança e do Adolescente diz que nenhuma criança poderá viajar desacompanhada dos pais ou responsável sem autorização judicial. No Brasil, a legislação define como criança a pessoa entre 0 e 12 anos de idade. Um adolescente, de 12 a 18 anos, pode viajar desacompanhado, já que não há impedimento legal. Isso não significa, entretanto, que o adolescente possa desobedecer aos pais ou responsável. No caso de conflito, prevalece a vontade dos pais ou responsável, já que o adolescente está sob o poder familiar (antigo pátrio poder) destes.

Bem, sendo assim, não há mais necessidade dos pais autorizarem por escrito, mas é claro que preciso que eles autorizem ainda que verbalmente. Eu vou entrar em contato com cada pai e mãe para explicar como é a EXPOMUSIC, que a gente não vai dormir lá, já que os portões abrem às 13:00 e fecham às 21:00, a gente vai chegar antes de abrir e sair quando fechar, a gente come alguma coisa antes de pegar a estrada, então no máximo 22:00 do dia 02/09 (sábado), a gente tá vindo embora. E falar que temos também alunos adultos que vão na viajem e não só adolescentes... Mas vocês já podem ir adiantando isso para eles, ok! Um grande abraço a todos e estudem para a aula desta semana!

Ah! Galera! Como só temos 14 lugares na Van, gostaria da resposta de vocês o mais rápido possível para poder fechar com a Van, não precisa trazer o dinheiro agora, creio que para pagar só na hora mesmo, então se trouxerem o dinheiro no final do mês de Agosto, tá legal pra mim. Ok? Até lá!!!

Prêmio Acumulado!!!



Olá galera, aí vão as respostas, como prometido:

1e - 2b - 3a - 4c - 5c - 6e - 7e - 8d - 9e - 10c

Bem, se você acertou de 8 a 10:

Parabéns, você já pode conseguir um emprego como balconista de qualquer loja de discos do planeta e participar como ator das filmagens de "Rebeldes".

Se você acertou de 4 a 7:

É, você se julgava esperto, mas não passa de um grande embusteiro, uma espécie de "Milli Vanilli" do conhecimento musical. Vá para casa ouvir mais CDs e ler as fichas técnicas dos mesmos.

Se você acertou de 1 a 3:

Deus do céu, você não tem vergonha de apregoar para as pessoas que você conhece alguma coisa de música? Ou você toma vergonha na cara ou ninguém vai querer conversar com você depois de um show.

Se você não acertou nenhuma:

Das duas, uma: ou você é de Saturno ou seus neurônios são feitos de sucrilhos. Só não dou uma surra com um gato morto em você pela momentânea ausência de felinos disponíveis.

Bem, o Samuel e o Gleidson acertaram 7 questões, mas como o mínimo era de 8 acertos, a revista continua comigo aguardando o próximo sorteio! Até lá!!!

18 julho, 2006

QUIZZ nº 01

Estas são algumas perguntas retiradas da revista Cover Guitarra nº 81 feita pelo grande Regis Tadeu. Achei muito legal e postei aqui valendo uma Revista HOME STUDIO nº13 - Capa: "COMO GRAVAR GUITARRAS".

Mas vejam as regras:
  • Só valem as respostas postadas até o dia 31 de Julho de 2006;
  • Cada pessoa só pode participar 01 vez;
  • Ganha quem tiver a maior quantidade de acertos, sendo que o mínimo de pontuação é de 08 questões acertadas, ou seja quem acertar de 07 para baixo, mesmo que seja o que acertou mais, não leva o prêmio;
  • O endereço para entrega do prêmio é no local das Aulas de Violão/Guitarra, não mandarei NADA via correio, nem um "oi", portanto se você é de fora de Valença/RJ e quer participar, lembre-se disso;
  • No caso de empate, cada um fica com metade da revista (He! he! he!).

Vamos às perguntas:

QUIZZ COVER GUITARRA

Você sabe tudo a respeito do seu ídolo? Se julga um expert quando o assunto são guitarristas, violonistas e baixistas? Conhece a discografia de todo mundo? Pare de se gabar e faça o teste definitivo retirado do QUIZZ COVER GUITARRA. Pode ser que você seja tão esperto quanto pensa ou não passe de um grande mané. Façam suas apostas...

1) "Músicos que dizem estudar 16 horas por dia, ou são mentirosos ou são tremendos idiotas". Essa "simpática" frase foi dita por...

a) Ritchie Blackmore
b) Yngwie Malmsteen
c) Eddie Van Halen
d) Marcelo Frommer (Titãs)
e) André Segóvia


2) Billy Gibbons (ZZ Top) se gaba até hoje de ter recebido um presente de Jimi Hendrix. O referido mimo foi uma...

a) Gibson Flying V '65
b) Fender Stratocaster cor-de-rosa
c) Camiseta autografada
d) Fita contendo a versão original de "Jesus Has Just Left Chicago"
e) Fender Stratocaster Sunburst que havia pertencido a Buddy Holly


3) A idéia para que Angus Young passasse a se apresentar vestido com roupa de estudante foi dada por quem?

a) Sua irmã
b) Seu irmão Malcolm
c) Bon Scott
d) Steve Harris
e) Dave Murray


4) Antes de entrar para o Deep Purple, Ritchie Blackmore trabalhou como sideman de um grande astro do rock da década de 50, chamado...

a) Elvis Presley
b) Buddy Holly
c) Gene Vincent
d) Chuck Berry
e) Bill Halley


5) Eddie Van Halen e Brian May já gravaram um disco juntos. O nome do álbum em questão é...

a) Twin Guitars
b) Stargazer
c) Star Fleet
d) Twin Peaks
e) Star Strings


6) Assim como todo bom moço americano, Jimi Hendrix também serviu o exército, numa função muito bacana. Qual?

a) Motorista do coronel Peter Stiller
b) Cozinheiro
c) Baixista da banda do quartel
d) Motorista do Major Peter Stiller
e) Paraquedista


7) Jimmy Page teve de interromper as gravações do álbum "Presence" por causa de um acidente ridículo. Qual?

a) Cortou os dedos com uma faca de cozinha
b) Tropeçou na banheira
c) Caiu da escada do estúdio e fraturou duas costelas
d) Se meteu numa briga de bar e quebrou o nariz
e) Prendeu os dedos na porta de um vagão de metrô


8) Antes de montar o Black Sabbath, Tony Iommi tocou por três semanas numa banda que mais tarde também se tornaria muito famosa, chamada...

a) King Crimson
b) Gentle Giant
c) Blue Cheer
d) Jethro Tull
e) Genesis


9) Recém-convertidos ao espiritualismo, Carlos Santana e John McLaughlin gravaram um disco juntos, que foi batizado como...

a) Love Removal Machine
b) Love Will Tear Us Apart
c) Love, Devotion, Pretender
d) Love, Devotion and Krishnna
e) Love, Devotion, Surrender


10) O Gentle Giant sempre foi uma das bandas mais subestimadas de todos os tempos. O lado "rocker" da banda era exercido pelo guitarrista...

a) Gary Burton
b) Grant Green
c) Gary Green
d) Martin Green
e) Martin Grant


Boa Sorte! O gabarito sai em Agosto! (A gosto de Deus! He! he! he! - Essa foi péssima!)

16 julho, 2006

Dicas e Truques II: A Pestana

Basta alguém falar em "pestana", que muita gente já começa a pensar em desistir. Afinal a pestana tem sido o carrasco responsável por alguns dos maiores traumas no estudo de instrumentos de corda em geral, sem falar na dor, nem falar na demora para trocar de acorde quando aparece uma pestana pela frente. Na verdade, a pestana existe para facilitar a troca dos acordes. As pessoas reclamam de dores no polegar, no indicador e no músculo que fica bem no meio deles. Bem, o motivo porque dói é simples: os músculos envolvidos no processo, não estão desenvolvidos o suficiente para fazer o trabalho, e acabam entrando em colapso, prejudicando o som e doendo. Felizmente, a solução também é simples: ginástica!

Exercício I: Usando só o polegar e o indicador , faça uma pestana simples na primeira casa do seu instrumento. (não importa que normalmente o seu instrumento nem use pestanas, os exercícios darão força ao polegar) Aperte o dedo indicador da mão esquerda sobre todas as cordas e toque uma vez só. Em seguida avance uma casa, aperte as cordas e toque de novo uma vez só, repita até a sétima casa. Faça esse treinamento alguns dias.

Depois que essa "ginástica" surtir algum efeito, e estiver mais fácil produzir um som limpo, podemos usar pestanas de verdade :

Exercício II : Escolha uma pestana mais ou menos no meio do braço. Depois escolha três acordes ( posições ) que não sejam pestanas , e numere-os ( acorde 1 , acorde 2 e acorde 3 ) .


Em seguida, sempre lembrando de tocar cada acorde só uma vez, vá trocando na seguinte ordem :


Acorde 1 , Pestana , Acorde 2 , Pestana , Acorde 3 , Pestana , etc...


Tente ir aumentando a velocidade aos poucos ...

Fonte: Apostila "Dicas, Truques & Exercícios" de Walter Rocha Marques

08 julho, 2006

Vida ou Plágio?

Navegando na net, achei esse texto do multi-instrumentista Evaristo Fernandes, escrito no site Gospel Music Café. Muito bom o texto dele, tive que transcrever. Leia e comente!

Vida ou Plágio?

Harmonia, Melodia e Ritmo; Estes são os três elementos que formam a música. Desde a composição mais simples até a mais compléxa, são estes os “ingredientes” de sua formação.

Logo, a música de boa qualidade e a música de má qualidade, dependem exclusivamente da forma de uso desses elementos. Seja erudita ou popular, brega ou chique e estilos variados, tudo é formado a partir disso.

Corpo, Alma e Espírito; Estes são os três elementos que formam a vida. Desde o ser humano mais humilde e inculto até o mais afortunado e intelectual, são estes os “ingredientes” de sua formação.

O autor da vida, Deus, nos dá o privilégio da co-autoria de nossas vidas, assim que nascemos. Uns resultam em boa música aos ouvidos da sociedade, outros soam caóticamente desafinados, outros ainda pior, soam desinteressantes.

Muitas pessoas optam em usar suas vidas de forma desordenada, entregando-se as vontades e á prazeres anti-éticos, dando legalidade ao inimigo e assim abrem mão de uma vida original e afinada, se contentando com o *plágio mal composto.

Como temos soado aos ouvidos das pessoas?É interessante nos concientizarmos que a cada palavra rude, que a cada mágoa ou rancor, emitimos notas desafinadas, fazendo de nossas vidas uma música horrível!

Mas a cada atitude de amor demonstrado, reconhecimento ou perdão liberado, uma nota bem tocada soa de nós no universo, e principalmente nestes dias em que vivemos, todos têm querido ouvir boas músicas ao redor.

Mas não se engane! Não basta boas notas apenas quando tiver alguém pra ouvir. Pois, ao estarmos só, a responsabilidade de não tocarmos qualquer nota é ainda maior.

Não havendo palavras ou atitudes a serem demonstradas para alguém, não finja afinação em seu silêncio, pois Deus, o autor da vida, conhece muito bem as suas **pausas.

*Plágio: Apresentar como seu, trabalho literário ou científico copiado de obra alheia. Copiar, reproduzir fazendo passar por original; Imitar servilmente (trabalho ded outrem).**Pausas: Silêncio na música de duração variável!

20 junho, 2006

É Correto Ser Amigo de Uma Banda e Fazer Uma Crítica Sobre Ela Em Um Grande Veículo de Imprensa?

Quando Uma Amizade Pode Interferir Num Trabalho
por Juliano Costa

Ontem passei o filme "Quase Famosos" para alguns alunos, mas o filme deixa uma polêmica no ar, em relação a Willian Miller, o garoto-jornalista que é chamado para escrever para a revista Rolling Stone sobre uma banda de rock nos idos de 70. No começo, é tudo alegria para o garoto. Mas o convívio com seus ídolos, até então inatingíveis, fascina-o de uma tal maneira que seu trabalho, o motivo original da viagem, acaba passando a um segundo plano, ofuscado pela crescente amizade gerada por essa convivência.

E eis que, tanto o editor de Miller, já suspeitando da intimidade do jornalista-mirim com a banda, e os próprios músicos, céticos em relação à maneira como serão retratados na revista, perdem a credibilidade pelo trabalho do garoto.

Isso acaba levantando uma questão: quando se é amigo dos integrantes de uma banda, é possível que um jornalista faça uma crítica ou uma resenha imparcial e honesta sobre essa banda, sem que a amizade exerça algum tipo de interferência no texto?

O diretor Cameron Crowe, com seu filme praticamente autobiográfico (William Miller, o garoto, seria ele próprio, que também começou sua carreira como crítico musical) deixa claro que dificilmente se pode fazer uma crítica honesta e impiedosa, como aconselhava seu guru, o lendário Lester Bangs. Miller, maravilhado com o mundo-roque, é apenas honesto em seu texto, mas nada impiedoso. Pelo contrário: a amizade com os integrantes da banda amolece seu coração, e o impede de julgar o trabalho da banda com uma cabeça de crítico.

Sobre esse assunto, alguns dos principais jornalistas que escrevem sobre música no Brasil foram entrevistados por Juliano Costa para o site: http://www.screamyell.com.br/musica/ehpossivel.html. Leia suas opiniões:

Lúcio Ribeiro, repórter de música e cinema do caderno Ilustrada da Folha de São Paulo e da seção Pensata, do site Folha On Line (www.uol.com.br/folha/pensata) acredita que o jornalista profissional precisa ter discernimento sobre o assunto: não há problemas em escrever sobre uma banda de amigos desde que o jornalista acredite mesmo que o tal grupo mereça esse espaço. Lúcio diz que nunca se deparou com o problema, pois suas críticas são, na maioria, sobre bandas estrangeiras. Colega de Lúcio na Ilustrada, Marcelo Valletta pensa de forma diferente. Acho incorreto fazer matérias com amigos. Se você for designado para a tarefa, convém explicar a situação ao seu superior e pedir que ele indique outra pessoa, declara o jornalista. Mas caso você seja mesmo obrigado a escrever a tal resenha, deve utilizar o rigor crítico de costume, completa Valletta. Se a amizade vai interferir no texto, isso vai depender da pessoa. É preciso frieza e profissionalismo nessa hora, conclui o jornalista, que confessa nunca ter passado por uma situação parecida com essa.

Opinião semelhante tem José Flávio Júnior, editor-adjunto da revista Bizz. Não é correto para um crítico musical ser amigo de banda, mas é inevitável ser colega e ter conhecidos, que acabam virando até fontes, diz José Flávio, que acredita que usar os colegas músicos como fonte é um outro problema ético do jornalista. Eu não queria dizer essa obviedade, mas tudo depende. Se o cara consegue discernir seu contato com o músico da resenha que vai fazer, ótimo, atesta José Flávio, que conclui: A resenha é do disco, não da amizade.

André Barcinski, um dos apresentadores do programa Garagem (www.garagem.net), da rádio Brasil 2000, de São Paulo, e editor do site El Foco.com, é ainda mais radical: É óbvio que não (é possível fazer um texto imparcial), pois jornalista que se preza não fica amigo de artista. Essa é a regra número um do jornalismo cultural, declarou o jornalista, que lamenta que, no Brasil, infelizmente é normal ver nome de jornalista na lista de agradecimentos de discos.

Barcinski acredita que o dever de entrevistar e ter contato mais direto com os artistas cabe ao jornalista, e não ao crítico. Nos EUA, pelo menos nos órgãos mais sérios, os críticos trabalham na redação. Eles não entrevistam artistas, estão lá apenas para resenhar obras, disse o jornalista. Já no Brasil, não há uma divisão clara entre jornalistas e críticos de música, concluiu Barcinski, que confessa ser amigo dos integrantes da banda Sepultura, mas que já os conhecia antes de começar a escrever sobre música.

Correspondente da Tv Globo e do jornal Folha de S. Paulo em San Francisco, EUA, o jornalista Álvaro Pereira Júnior também entende que seja errado escrever crítica sobre amigos. A não ser que você tenha uma liberdade tamanha de texto que lhe permita escrever algo do tipo ‘sou suspeito para falar desses caras, porque eles são meus amigos’”, contrapôs o jornalista, que assina uma coluna sobre música no suplemento FolhaTeen, da Folha de S. Paulo.

Álvaro alerta também para o fato de haver muitos jornalistas que prestam serviços a gravadoras. Tem muito crítico de música, principalmente no Rio (de Janeiro), que escreve release usando pseudônimo para gravadoras”, afirma o jornalista. “E depois ainda vai criticar discos dessa mesma gravadora!, exclamou Álvaro, que preferiu, por motivos éticos, não revelar o nome desses jornalistas.

Em uma coluna antiga no caderno Folhateen, Ondas Curtas, o jornalista (e agora diretor da editora Conrad) André Forastieri alertava:

Não é tão complicado assim trabalhar na imprensa musical. O que você ganha com isso? Não muito. Você entra em show sem pagar e ganha montes de CDs. Viaja a trabalho para entrevistar uns e outros. É convidado para festas de lançamentos de discos.

E, claro, conhece um monte de artistas. Às vezes, até fica amigo de um monte de artistas. Se isso acontecer, está na hora de pedir demissão e mudar de carreira. Ninguém tem coragem de falar mal dos amigos. Ou, invertendo, não tem carreira que valha a perda de um amigo de verdade.

O que você acha?

(Este texto foi retirado do site: http://www.screamyell.com.br/musica/ehpossivel.html , onde Juliano Costa assina um texto intitulado: "É Correto Ser Amigo de Uma Banda e Fazer Uma Crítica Sobre Ela Em Um Grande Veículo de Imprensa?", Subtítulo: "Quando Uma Amizade Pode Interferir Num Trabalho").

19 junho, 2006

Autismo - Vivendo Num Mundo Especial


Conversei dias atrás via Orkut, com Elen Cristiane Guida Vasconcellos. Ela é mãe de uma criança autista, e estava perguntando da possibilidade de marcar aulas de violão para o seu filho. Achei uma matéria publicada na Revista Enfoque Gospel de Junho de 2006 - Edição 59, que tratava do assunto intitulada "Vivendo Num Mundo Especial", caso seja interessante posso xerocar e mandá-la na íntegra. Porém, no Blog publicarei só uma parte para que conheçamos melhor do que se trata o autismo.

O autismo é um transtorno de desenvolvimento em que a criança apresenta limitações de relacionamento e comunicação. O termo autismo vem do grego "autos", que significa "de si mesmo". Literalmente, a criança autista vive num mundo que só pertence a ela, sem existência de interação. O primeiro a nomear o distúrbio foi o psiquiatra americano Leo Kanner que, em 1943, descreveu um grupo de onze casos clínicos de crianças, em uma publicação intitulada "Distúrbios Autísticos do Contato Afetivo" (Autistic Disturbances Of Affective Contact).

Autistas Podem Ser Gênios?

"A diferença entre o autista de bom rendimento e o gênio é muito pouco precisa". A afirmação é do neuropediatra José Salomão Schwartzman, professor titular de pós-graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Ele afirma que é muito provável que Mozart e Santos Dumont fossem portadores dos transtornos causados pelo autismo. "Mozart tinha um distúrbio e compôs a primeira obra importante aos 5 anos, o que é maravilhoso, mas anormal. Além disso, tinha enormes dificuldades de relacionamento. Seu casamento foi um desastre e seu comportamento era absolutamente inadequado. Santos Dumont era um indivíduo isolado, com pouquíssimo relacionamento social e, como a maioria dos autistas, vestia sempre o mesmo tipo de roupa".Um artigo publicado no Journal Of The Royal Society Of Medicine, uma das mais prestigiadas revistas científicas da Inglaterra, também afirmou que Albert Einstein e Isaac Newton eram autistas. de acordo com a matéria, Newton, que descobriu a Lei da Gravidade, era um sujeito distante, de poucas palavras, e freqüentemente tinha acessos de mau humor. Além disso, era desleixado com a aparência e tinha a mania de escrever até vinte vezes os seus estudos, sem fazer quase nenhuma alteração de uma cópia para outra.No caso de Einstein, que formulou a Teoria da Relatividade, os sintomas também seriam típicos. Quando criança, ele costumava repetir a mesma frase durante horas e estava sempre sozinho. A hipótese de ele e Newton sofrerem da doença não diminui em nada a genialidade de ambos.

Recebi também da Ellen este texto de Scheilla Abbud Vieira, e achei muito interessante, portanto repasso:

AUTISTANDO

Quando me recuso a ter um autista em minha classe, em minha escola, alegando não estar preparado para isso, estou sendo resistente a mudanças de rotina.
Quando digo a meu aluno que responda a minha pergunta como quero e no tempo que determino, estou sendo agressivo.Quando espero que outra pessoa de minha equipe de trabalho faça uma tarefa que pode ser feita por mim, estou usando o outro como ferramenta.
Quando, numa conversa, me desligo, "viajo", estou olhando em foco desviante, estou tendo audição seletiva.Quando preciso desenvolver qualquer atividade da qual não sei exatamente o que esperam ou como fazer, posso me mostrar inquieto,ansioso e até hiperativo.
Quando fico sacudindo meu pé, enrolando meu cabelo com o dedo, mordendo a caneta ou coisa parecida, estou tendo movimentos estereotipados.
Quando me recuso a participar de eventos, a dividir minhas experiências, a compartilhar conhecimentos, estou tendo atitudes isoladas e distantes.
Quando nos momentos de raiva e frustração, soco o travesseiro, jogo objetos na parede ou quebro meus bibelôs, estou sendo agressivo e destrutivo.
Quando atravesso a rua fora da faixa de pedestres, me excedo em comidas e bebidas, corro atrás de ladrões, estou demonstrando não ter medo de perigos reais.Quando evito abraçar conhecidos, apertar a mão de desconhecidos, acariciar pessoa queridas, estou evitando contato físico.
Quando me deparo com situações que constrangem meu semelhante e não me incomodo, estou tendo comportamento indiferente.Quando dirijo com os vidros fechado e canto alto, exibo meus tiques nervosos, rio ao ver alguém cair, estou tendo risos e movimentos não apropriados.
Somos todos autistas.Uns mais, outros menos.O que difere é que em uns (os não rotulados), sobram malícia, jogo de cintura, hipocrisia e em outros (os rotulados), sobram autenticidade, ingenuidade e vontade de permanecer assim.

(Os trechos no fim das frases são alguns dos principais sintomas da Síndrome do Autismo).

18 junho, 2006

Violão - Dicas e Truques I

Os trechos abaixo, foram extraídos da apostila"Dicas, Truques & Exercícios"de Walter Rocha MarquesA música é um processo principalmente mental, usamos os músculos para produzir os sons que queremos apreciar. É importante ter músculos bem treinados na arte musical para que obedeçam docilmente aos mais sutis comandos da mente, mas também é essencial que se tenha uma mente bem treinada nesse universo sonoro que nos rodeia. A grande vantagem é que a mente se desenvolve muito mais depressa do que os músculos e, como não tem limites físicos, pode crescer infinitamente.A mente, a imaginação e a fantasia fazem parte do lado mais bonito da música. Podemos "ouvir" mentalmente qualquer som ou canção que conheçamos, mas podemos também imaginar, criar mentalmente qualquer som ou canção que nunca ouvimos antes. É assim que muitos compositores trabalham para fazer as suas músicas. Conheça duas aplicações práticas de como usar isso a seu favor , desenvolvendo sua "MENTE MUSICAL " :

1) Durante o treino de uma nova peça, um estudo ou uma apresentação ao vivo deve-se passar e repassar cada detalhe, cada movimento cada execução cada nota só com a mente, só depois que não há mais dúvidas na cabeça é que os músculos do corpo obedecem precisamente. Como resultado, o tempo de treino diminui e aumenta muito a qualidade eliminam-se os erros, sem falar que aumentamos muito a segurança de nossa performance.

2) Quando se afina um instrumento de cordas, normalmente se aperta uma corda em determinada casa do instrumento, então, toca-se a outra corda solta e fazemos os ajustes, após ouvir as duas cordas tocando simultaneamente.

TENTE O SEGUINTE :

A) Aperte na casa que tem que apertar
B) Toque o primeiro som
C) Repita esse som mentalmente, até decorar
D) Afine a outra corda "DE MEMÓRIA".


OS RESULTADOS SÃO SURPREENDENTES! ESSE É UM EXCELENTE EXERCÍCIO PARA DESENVOLVER O OUVIDO; ALIÁS, TER BOM OUVIDO SIGNIFICA TER A MENTE AFINADA!

15 junho, 2006

Como Tirar Um Som Alto e Forte do Violão?

Olá blogueiros! Uma visitante do Orkut, chamada Lari Caetano, me perguntou como poderia ajudá-la com as pestanas. Embora esse texto não trate de pestanas em si, a matéria responde muito da dúvida dela. Gostei muito desta matéria, por isso transcrevo aqui. Tomara que te edifique também! Abraços!

Como Tirar Um Som Alto e Forte do Violão?

De: Ulisses Rocha
Coluna: "Novo Violão Brasileiro"
Matéria Retirada da Revista Acústico nº 03 - Junho de 2006.

14 junho, 2006

"Quase Famosos"

Bem, depois da "sofrível" vitória do Brasil neste primeiro jogo, fiquei um tanto atordoado e quase que me esqueci de postar alguma coisa. Embora já houvesse falado com o Samuel e o Daniel Peixoto que iria postar. Essa semana foi curta, porque terça, por causa do jogo, só o Rhuan veio na aula. A Ana Bárbara faltou e eu tenho certeza de que ela vai arranjar uma boa explicação para isso. E amanhã: Quinta-feira, é feriado! Aviso aos navegantes: "Não haverá aula!". Hoje à noite eu vou pro Luau que o Francis da Expansão Missionária está organizando, o local é lá pros lados do Vale Verde e o preço é de apenas R$ 5,00. Com direito a mesa de frutas e café da manhã já na quinta-feira. Tenho certeza que vai ficar muito show. Eu vou com a minha esposa, e acho que vamos pegar uma "caroninha" com o Igor que também vai, lá pelas 22:30hs.

09 junho, 2006

Carpe Diem!

Mais uma semana se foi! Foi uma ótima semana de aulas, mesmo com alguns alunos faltosos. Mas espero que semana que vem não haja nenhuma falta. Gosto muito de dar aulas. Gosto mais do que de tocar. Quando comecei a dar aulas a intenção era aprender. Aprendo muito com meus alunos, mais do que eles comigo. É fácil explicar: muitos deles só têm a mim como elo de ligação com o mundo da música, eu porém tenho todos eles. Cada um deles. Gostos diferentes, objetivos diferentes, idades diferentes, informações novas...

03 junho, 2006

O Violão e a Bateria
















Um segredo muito bem escondido pelos profissionais das cordas - e a maioria não gosta de revelar seus segredos - é a comparação entre a bateria e as batidas no violão. Observando bem, podemos exprimir melhor o acompanhamento fazendo um paralelo entre os dois.

Transporte




Transpor uma peça musical (uma progressão de acordes, digamos, ou uma melodia) significa tocá-la em uma tonalidade diferente daquela que foi composta, ou na qual ela foi originalmente aprendida.

Existem duas razões para se transpor uma seqüência de acordes. A primeira acontece quando se deseja usá-la para acompanhar uma música cantada, mas a tonalidade é baixa ou alta demais para o conforto de quem canta. A segunda ocorre quando se deseja utilizar posições específicas, ou adicionar notas melódicas cuja obtenção seja de difícil execução caso a música permaneça na tonalidade original.

23 maio, 2006

Petróleo do Futuro

Falando em letra de música, sempre gostei deste tema. Achei uma interpretação muito interessante na revista "Discutindo Filosofia" - Ano 1, nº 3. O autor é Marcos Carvalho Lopes, filósofo e professor de filosofia, e a matéria se intitula "A Doutrina do Legião Urbana", que ele faz em cima da música "Petróleo do Futuro". Muito apropriado para o momento, não é não?Bem, vamos à matéria. Mas primeiro, a letra da música para que possamos entender:

Petróleo do Futuro(Letra: Renato Russo; Música: Dado Villa-Lobos/Renato Russo)

21 maio, 2006

Células Rítmicas de Bossa Nova!

Esta é uma matéria retirada do Método de Violão - Técnicas - de Ricardo Giuffrida da Coleção Toque de Mestre - Ed.01, é sobre Rítmos Brasileiros e aqui estou repassando as células rítmicas da Bossa Nova. No livro são os exercícios de nº 16, 17 e 18. É importante para qualquer guitarrista ou violonista estudar as células rítmicas brasileiras, para melhorar a qualidade do acompanhamento. O trabalho aqui não é para sua mão da escala (Acordes), este é um trabalho para sua mão do rítmo, embora a Bossa Nova seja um gênero de sofisticação harmônica, melódica e porque não dizer, rítmica. Mas o trabalho agora é rítmo. Vamos às células rítmicas:

05 maio, 2006

O Campo Harmônico

Olá turma! Resolvi aparecer, depois de um longo tempo hibernando. Uma coisa é certa, não prometo mais que vou atualizar assim, vou atualizar assado, etc. Porque sei que depois a coisa aperta e tudo fica difícil de cumprir... Mas, vou colocar hoje um estudo, é sobre Campo Harmônico. Tomara que gostem, porque isso é só o início. Dúvidas?! Bem, você sabe onde me achar. Um forte abraço!!!

O Campo Harmônico

Uma coisa é certa quando se vai ensaiar, mesmo que você vá tocar o som mais simples do mundo, todos precisam, além de estar com seus instrumentos afinados, tocar no mesmo TOM. Tom, ou tonalidade é um complexo de notas que se entende HORIZONTALMENTE, pelas notas sendo tocadas uma após a outra, constituindo uma escala ou MELODIA; e também VERTICALMENTE, com notas soando juntas em acordes ou HARMONIA.
Eis a série de notas super manjada: Dó - Ré - Mi - Fá - Sol - Lá - Si.

18 abril, 2006

Filosofando!!!

Hoje foi dia de conversa. Não sei se porque ficou aquela chuvinha chata o dia inteiro, as pessoas tendem a se assossegar num canto e filosofar mais, não sei... Mas o fato é que: "É conversando que se entende!", e de conversar a gente entende. Falamos sobre os "porquês" de se ter aula de um instrumento qualquer, sobre o tempo que se leva pra aprender e sobre o tempo que nós gastamos dedicando à aprender. O preço que se paga por isso, algumas vezes em grana, outras em tempo e outras ainda em abrir mão de uma coisa ou de outra. Enfim... Fiz muitos amigos por conta da música, inimigos acho que nenhum. Dediquei muito do meu tempo à ela, se tivesse mais tempo, dedicaria mais. Hoje trago à memória as coisas que me alegram: Bons alunos, bons amigos, muitas lembranças boas, muita conversa, muita conversa, muita conversa...

14 abril, 2006

Muito Obrigado Pelos Comentários!

Aqui vai o meu muito obrigado à galera que entra no Blog (e agora na nossa comunidade no Orkut também) e que comenta os tópicos. Não existe outra maneira de eu saber se você está gostando ou não, o que mudar, o que acrescentar, etc; a não ser pelos comentários. Nessa primeira leva, vão os amigos do Blog depois eu falo dos da Comunidade no Orkut (Pinheiro - Aulas de Violão), ok? Vamos lá:

Quinta-feira!

Quinta-feira:

09:00 - Rita Barreto:

Pegamos a música: "Permanecer" do Nelson Bomilcar e Jorge Rehder. Uma MPB da melhor qualidade e embora tivesse uns acordes novos para a Rita até então como: E7(b5), E7(#5); eles não eram difíceis de serem executados. A cobrança da música era em cima dos dedilhados... Ela falou que à noite ia ver o Paulinho Lima tocar no Bacanas e nós contamos alguns "causos", da época que eu tocava com o Paulinho no "Trem das Cores" - Trio de MPB - Paulinho Lima (violão), Robinson Vandré (violão) e eu (baixo); também falei de quando eu e Paulinho fomos acompanhar a Jô Macedo num show no Vinícius Piano's Bar em Ipanema/RJ, no repertório tinha umas músicas da Rosinha de Valença, foi muito legal...

Quarta-feira!

Quarta-feira:

09:00 - Daniel Barbosa e Jéssica Cristina:

O assunto da aula deles era outro, mas a Jéssica me perguntou se podia tirar uma música pra ela, e então eu resolvi mudar a aula e mostrar como eu tiro uma música. Pegamos a música que ela queria: "Sou Feliz" do Mattos Nascimento, que já foi músico dos Paralamas do Sucesso, ele fazia arranjos, tocava trombone, na verdade ele já tocou também com Kid Abelha, Léo Jaime e Jorge Benjor. Enfim, começamos a trabalhar. Falamos sobre Tonalidade, (o Tom dela é G#), falamos sobre Campo Harmônico para achar os acordes da música, falamos sobre Capodastro, para facilitar na hora de tocar por causa da tonalidade; inclusive a Jéssica comprou um Capo que tinhamos para vender , pois achou realmente mais fácil de trabalhar e finalmente pedimos para que em casa eles tentassem por em prática o que vimos.

Terça-feira!

Terça-feira:

15:00 - Henrique:

O Henrique faz às 15:00 e o Rhuan às 16:00, mas nesta semana fizeram juntos, eu pedi para que o Rhuan viesse um horário antes, porque ele nunca tinha feito aula em grupo, e é necessário que um guitarrista saiba trabalhar com outras pessoas, vendo suas limitações, reconhecendo suas próprias dificuldades e tendo paciência para lidar com a dificuldade dos outros também. Eles pegaram a música: "De Uma Só Vez" do Rodox, antiga banda do Rodolfo Abrantes, antigo vocalista da antiga banda Raimundos, e por aí vai... Aliás ele está com um Cd novo muito bom - Santidade ao Senhor - Bem, a cobrança da aula ficou em cima dos "Power Chords" que aprendemos na semana passada. Eles se sairam bem!

Segunda-feira!

Olá guitarreiros de plantão! Vamos as bençãos de mais uma semana de aula e espero o comentário de vocês... Hoje é feriado, e feriado é sempre bem-vindo. No meu caso, prefiro que ele caia na quinta ou segunda, pois não dou aulas às sextas, então toda semana sexta é feriado, he he he! Mas tudo bem, sei que vocês também precisam de um dia de folga... mas veja bem, folga do trabalho, dos estudos... Mas não da MÚSICA!!! É isso mesmo, MÚSICA com todas as letras maiúsculas, afinal de contas ela merece!! (...em salas de bate-papo, letras maiúsculas significam que você está gritando, não é? Pois bem, pode ser isto também!)

08 abril, 2006

Oi Nóis Aqui Traveis!

Olá galera! Oi nois aí traveis! Mais uma semana abençoada! Claro, nós estudamos debaixo da graça de Deus! Segunda-feira:

E já na segunda-feira tivemos a Bruna Myrrha inaugurando as aulas da semana (14:00). Ela assistiu a vídeo-aula da Vera Figueiredo (Baterista); pra quem não sabe a Bruna toca caixa na fanfarra (só me perdoe Bruna eu não sei em qual!!!); na vídeo-aula a Vera falava sobre tipos de pratos, caixa e outras peças da bateria; também xeroquei pra ela uma matéria sobre técnica de caixa, que retiramos da edição nº 03 da revista ON&OFF. É isso aí, aqui rola de tudo nas aulas.

02 abril, 2006

Tem Novidade Aí!

Galera, cheguei!

Essa semana termina com novidades: Estamos no Orkut! Tá certo, eu demorei para chegar nele. É que achei que por ser necessário ser convidado para entrar, não seria vantajoso ter orkut, porque queria que todos pudessem ter acesso. Vejo que me enganei, nesta semana recebi um convite do meu amigo e ex-aluno Fabianinho, e resolvi entrar pra ver. Bem, gostei do que vi, achei ex-alunos que não via há algum tempo, músicos amigos que estão vivendo em outros ares, foi legal... Conclusão: Gostei tanto que resolvi montar uma comunidade. O nome era pra ser: "Eu Tive Aulas de Violão com o Pinheiro!", mas o nome é grande demais e não deu para colocá-lo, então coloquei: "Pinheiro - Aulas de Violão".

25 março, 2006

A Semana dos Alunos!!!

Olá Blogueiros, guitarristas ou não, sejam bem-vindos!!!

Chegou mais uma sexta-feira, e como eu só dou aulas até quinta-feira, acabamos mais uma semana de aulas. Nesta semana começamos com alguns alunos assistindo a shows e filmes.

SEGUNDA

Na segunda-feira, tivemos a Bruna Myrrha (14:00) assistindo ao DVD da Ana Carolina e Seu Jorge, o objetivo de assistir a esses shows é que moramos "longe demais das capitais", como diria Humberto Gessinger do Engenheiros do Hawaí, e não temos facilidade de vermos outros músicos tocando para aprendermos com eles, não temos outra forma de vermos os instrumentos que as pessoas estão usando, porque cargas d'água o guitarrista começou a tocar com um violão depois trocou por outro no meio da música, como o músico fez para tirar aquele som que eu tinha escutado no CD, etc. É isso mesmo, o objetivo é didático, pode se aprender e muito vendo os outros fazendo, você tem até o direito de se recostar na poltrona e curtir o show que te passo, mas você tem a obrigação de tirar coisas boas para sua vida musical através da telinha; então ao assistir a um show, trate de olhar com olhos de músico e não de fã!

18 março, 2006

Demorei, Mas Tô Aqui!

Bem, a semana foi corrida! Mas tudo aconteceu dentro da maior paz de Jesus Cristo!
Tem ex-aluno voltando à ter aula, o Henrique. Ele começa na terça-feira às 15:00. Tem algumas mudanças de horário também, o Daniel Peixoto veio para a segunda-feira e agora vai fazer aula junto com o Samuel às 15:00. Nesta semana alguns alunos estão pegando a música "Até Quando?" do disco Humanos do Oficina G3, nós estamos seguindo a transcrição que saiu na Cover Guitarra nº 135 de Março de 2006. Por isso dá pra colocar alguns alunos juntos na mesma aula. Temos o Igor Santos, o Eduardo Barra, o Daniel Peixoto e o Daniel Barbosa e ainda o Samuel e o Ivan Maia.

25 fevereiro, 2006

O Que Rolou Na Semana!

Olá galera! Mais uma semana que se vai! Alguns altos e baixos nas aulas, mas ninguém saiu do tom, no máximo, no máximo, deu uma desafinadinha, mas como diria Lula: "A luta continua, companheiro!".

Como estava dizendo foi uma semana de altos: Um monte de alunos novos. Só na segunda-feira tem cinco - Ana Bárbara, filha do meu amigão Paulo André, dono do Restaurante "Lá na Criação" no centro da cidade. Pra quem não sabe o Paulo toca flauta... Ela tem aula às 16:00 hs. Antes vem a Bruna Myrrha às 14:00 e o Samuel Jr. que saiu da quarta e se estabilizou na segunda às 15:00 agora. Nós vamos falar mais deles aqui, no momento estou só lhes apresentando a galera. Tá vendo Samuca?

História da Notação Musical

Esta semana, conversava com uma aluna da quinta-feira, a Rita, sobre a importância do grego na nossa música atual. Fui procurar alguma matéria numa revista antiga e achei isto, do baixista Cláudio Machado, veja que pérola:

(Obs: Tem uma família de bons músicos em Barra do Piraí/RJ, com sobrenome Machado. Lembro-me do batera que tem o apelido de Pelé. Será que tem alguma coisa haver?)
Os gregos criaram uma grafia musical literal para dar nome às diversas notas musicais. Para isso usaram as primeiras letras do seu alfabeto:

Alfa - Beta - Gama

14 fevereiro, 2006

Aulas de Quarta

Saúde a todos, acabei de preparar as aulas de amanhã de manhã e vai ser um ótimo dia pra se dar aula. No 1º horário do dia teremos o Daniel Barbosa e a Jéssica Cristina às 9:00 da madrugada, como diria o Igor, alías ele deve fazer neste horário também, como sei que hoje ele dormiu na minha mãe (vó dele) e que é aqui perto de casa, é certo ele ligar de manhã pedindo para vir mais cedo, já que o horário dele é só às 18:00hs. Bem, eles vão treinar o modo Dórico dentro de uma base de blues da fita de vídeo-aula do Kiko Loureiro (Guitarra Rock - Estilos, Escalas e Licks) que eu montei dentro da nossa bateria eletrônica (DR-5). Porque aí eu posso aumentar ou diminuir o andamento, conforme a dificuldade do aluno.

11 fevereiro, 2006

Frank Harris no Henceforth

Olá galera, sei que devo desculpas pelo sumiço, é que a placa mãe do micro resolveu pifar de vez e foi preciso que o Wilsinho entrasse em ação para tentar ressuscitá-la ou que eu arranjasse outra. Pois é, o Wilsinho me arrumou uma e estou de volta. É bem verdade que não sei até quando, com essas novas tarifas de telefone eu não sei se vou poder surfar por muito tempo. Mas o assunto agora é outro. Alguém aí lembra do Frank Harris? Vocal do antigo Província, banda valenciana que tinha Marcus Prado (guitarra), grande marcão, Marcelo Águia (baixo) e André (bateria).

06 janeiro, 2006

Victor Biglione

Tenho muitas revistas de guitarra; os que me conhecem podem testificar isto, o que me faz estar sempre lendo revistas novas e velhas ao mesmo tempo. Coisa de maluco, né? Pois é, o fato é que hoje eu li uma coluna escrita por Victor Biglione para a revista Guitar nº 03 (pag 73) e que vou passar na íntegra logo abaixo. Victor Biglione é um dos grandes guitarristas da música internacional que já trabalhou com Milton Nascimento, Chico Buarque, João Bosco, Steve Hackett, Lee Konitz, Manhattan Transfer, John Patitucci e com seu duo com Andy Summers, além de seu trabalho solo. Espero que te ensine algo, porque pra mim foi de grande valia. Um grande abraço e aí vai a matéria:

02 janeiro, 2006

Almir Chediak...

Bem, aproveitando que estava falando do livro do Chediak, lembrei de um caso legal para contar. Tenho uma amiga, que tem uma tremenda voz e que se amarra em MPB. Ela chegou a ter umas aulas com o Almir Chediak quando era adolescente. Bom, o tempo passa, o tempo voa... e depois de anos a vida deu umas voltas e eles voltaram a se encontrar e tal.

Uma vez eu estava tocando em um restaurante aqui da cidade, o Araras, do meu amigo Guilherme, e a tal amiga tava na cidade, a gente aproveitou pra conversar e matar a saudade. Ela falou dos feras da música que frequentavam a casa dela, afinal de contas o Almir Chediak é o pai dos songbooks, então imagina só, Djavan, Caetano, Gil, Chico Buarque... só nata!

Intervalos

Olá pra todos. Feliz 2006. Como começaram o ano?

Aqui as aulas não pararam e nesta segunda eu aproveitei para preparar uma aula legal para os alunos. O assunto é intervalo.

Estava assistindo a uma vídeo-aula do Wesley Caesar cujo tema é "Acordes" e pretendo passá-la para alguns alunos, mas acho que isto vai ser lá para fevereiro e para alguns talvez em março, porque antes de falar de acorde é preciso entender bem sobre intervalos; entaõ dei uma compilada nuns livros bons sobre o assunto: o Curso TOQUE de Ralph Denyer - Curso Completo de Violão e Guitarra - nas páginas 226 e 227 tratam do assunto. Gosto deste livro porque o autor é bem detalhista, às vezes chega a complicar de tão esmiuçado que ficam alguns assuntos, mas o cara é bom.

Outro livro de cabeceira para o assunto é o Harmonia e Improvisação do Almir Chediak, o grande; que no Volume I do livro também trata do assunto com propriedade. Ele fala da classificação dos intervalos; Intervalo maior, menor, aumentado, diminuto, justo; ascendente e descendente, melódico e harmônico, simples e composto, natural e invertido e sobre intervalos enarmônicos; mostra os intervalos no braço da guitarra e violão, etc. Este material você encontra nas páginas 67 à 70; e da 135 à 140. Depois disto vem uns exercícios práticos, mas no caso de meus alunos ele farão é uma provinha no final do mês de janeiro para ver se sacaram bem o assunto.

01 janeiro, 2006

OUVIDO AFINADO (Parte Final)

Aí esta a parte final da matéria. Espero que tenham gostado:

A ÁREA DE BROCA, NO LADO ESQUERDO DO CEREBRO, É RESPONSÁVEL PELA LINGUAGEM VERBAL E POR PROCESSAR A SINTAXE DA MÚSICA

Embora a tarefa experimental não requeira absolutamente que se preste atenção à música, mostramos que a rapidez da identificação do fonema dependia da função musical do acorde: os tempos de identificação dos fonemas /di/ e /du/ mais curtos foram observados para os acordes de tônica. Em outras palavras, embora os ouvintes estivessem atentos ao fonema, reagiam com rapidez quando o acorde que o acompanhava era tônico, mais comum na música ocidental. Ao contrário, quando o fonema correspondia a um acorde que não havia sido antecipado inconscientemente, era porque o cérebro antecipara um acorde correspondendo às regras musicais usuais.

OUVIDO AFINADO (Parte II)

A SIMPLES ESCUTA DE COMPOSIÇÕES TONAIS TORNA MUSICALMENTE EXPERIENTE UM OUVINTE SEM FORMAÇÃO EM MÚSICA

Com base na constatação de que existem muito mais similaridades que diferenças entre os cérebros de músicos e de não-músicos, postulamos que as redes neuronais postas em jogo nas atividades musicais se desenvolvem mesmo na ausência de um aprendizado intensivo. Em outras palavras, a simples escuta (e não a prática) basta para tornar o cérebro “músico”.